sexta-feira, 1 de outubro de 2010

vai tudo para a festa

A senhora ministra da cultura Gabriela Canavilhas foi ontem ao Campo Pequeno ver a festa dos touros, também levou consigo o secretário de estado. A barbárie com a bênção do governo!

4 comentários:

Fuzo de agua doce disse...

Por mim as touradas acabavam, a única coisa que se salva são os Forcados, que dão o corpo ao manifesto.
Fui desde muito novo atraido pelas «vacadas» que ainda hoje se realizam por toda a minha zona, que embora pertença á Estremadura, faz extrema com o Ribatejo, ainda levei umas marradas, mas com a idade comecei a ficar «piegas» e não sou capaz de ver fazer mal a uma mosca,muito menos quem não se pode defender.
Um abraço
Virgílio

eduardo maria nunes disse...

Eu por mim também digo que as touradas não deveriam existir, no entanto, penso que de minha parte seria ser egoísta por só pensar em mim, esquecendo os que gosto desse grande espectáculo que são as touradas.
Os forcados são pessoas humanas e voluntárias que por uma ou outra razão gostam de mostrar que são capazes de enfrentar o touro.
Muitas das vezes não são bem sucedidos nas primeiras ou segundas pegas, Todavia pensam serem mais valentes que o próprio toiro e lutam contra a sua própria vida.
Ser toureiro não deixa de ser uma arte, embora voluntária não deixa de ser remunerada, com a qual também estou de acordo.
As touradas em algumas localidades do nosso pequeno Portugal são tradisões muito antigas, fazem parte dos uso e costumes do nosso povo.
Portanto, com a tristeza de uns e alegrias de outros penso que devem continuar!

lmdoliveira disse...

O cerne da coisa não é os forcados e o touro, é o sofrimento do animal em praça e este não está lá de livre vontade é obrigado a ser maltratado!
Um abraço ao Nunes e Virgílio

eduardo maria nunes disse...

Amigo concordo plenamente contigo, mas nós humanos também de uma ou de outra maneira, sofremos. Embora não esteja de acordo com esse sofrimento causado aos humanos ou aos animais. No entanto, nada podemos fazer para evitar esse sofrimento. Como se diz o povo é quem mais ordena e, no caso das touradas com a morte do touro, é o povo que mais vibra de alegria. Com esse que considera ser um grande espectáculo, esquecendo o sofrimento do pobre aminal que nasceu para ser torturado na praça pública, sem dó nem piedade.
Um abraço amigo e temos que ter paciência porque a vida é mesmo assim.