quinta-feira, 15 de abril de 2010

Teixeira dos Santos

O ministro das finanças jura a pés juntos que as deduções no IRS par os escalões mais baixos é coisa mínima ou inexistente (grande toca). O povinho continua ser montado e o acenar da cenoura é o pão nosso de cada imposto. Quem tem filhos a estudar ou a saúde anda lá por casa pelas horas da morte, então o corte é substancial. São sempre aqueles que não podem refilar e não têm poder reivindicativo a pagar as "brincadeiras" dos políticos, dos tubarões da economia e todos aqueles que metem a mão no alheio.
Estamos refundidos, não saímos do cadinho, derrete hoje, refunde amanhã e nunca se sai da cepa torta, estamos cansados de tanto sermos caldeados!

6 comentários:

Valdemar disse...

Devemos ter respeito pelo nome dos animais.
Só os burros aceitam os sacrifíos que lhe são impostos sem protestarem.
Será um erro crasso pensar-se que isto continuará a ser um povo de brandos costumes, sendo que são sempre os mesmos a pagar.
Mas tudo na vida é como o sal na comida. Quando é demais não dá para engolir.deredc

Anónimo disse...

Amigo Oliveira
Estamos tramados, pois eles comem tudo e não deixam nada,e toca a música mas a dança é sempre a mesma, só mudarão a agulha se a isso forem obrigados, e essa questão não deve acontecer enquanto estiverem aconchegadinhos pelos amigalhaços da U.E.
Um abraço
Virgilio Miranda

TINTINAINE disse...

Gosto do burro e da «cara de burro» do nosso ministro.
Esta malta do photoshop está cada vez melhor!

lmdoliveira disse...

Valdemar, olha que nem os burros aceitam de ânimo leve os sacrifícios, o que reforça a ideia que os portugueses são piores que as bestas!

lmdoliveira disse...

Virgílio, ai deixam, deixam, deixam as contas para nós pagarmos !!

lmdoliveira disse...

Tintinaine.
“Há tanto burro a mandar
em homens de inteligência
que, às vezes, chego a pensar
Que a burrice é uma Ciência”.
(verso de António aleixo)
vivam os burros, morram os asnos!
o photoshop é cá de casa.