sexta-feira, 23 de abril de 2010

quatro bons malandros

Os povos extreminam-se mutuamente à pala das religiões, na maior parte das vezes é na sua sombra que são usados os princípios religiosos para fins que nada tem a ver com a essência das mesmas. O povinho com a promessa do reino dos céus e das setenta virgens de perna aberta, vai atrás dos vendedores da banha da cobra. A populaça papa tudo e pior, gosta de ser papada!

2 comentários:

TINTINAINE disse...

Infelizmente é bem verdade!

Piko disse...

O tema das religiões é e será sempre dos assuntos mais polémicos pela simples razão de que ninguém pode provar por A+B de que o Deus existe ou que não existe...
É bem verdade que à medida em que a Ciência avança os "milagres" das religiões diminuem e pelo andar da carruagem os humanos correm o risco de um dia, quem sabe, passarem também a ser "milagreiros", porque todos nós acreditamos que os campos científicos estão longe de esgotar!
Para já os filósofos mais estudiosos colocam muitas achas para a fogueira como:
« DEUS NÃO NOS FEZ. NÓS FIZEMOS DEUS!»
« AS RELIGIÕES ENVENENARAM TUDO!»
ETC, ETC.
Creio para mim que não sou um expert neste difícil tema, que há uma razão muito forte que torna a "populaça" muito seguidista e "mama" o que os profissionais das religiões lhes vão impingindo ao longo de toda a sua vida; se pararmos um pouco para pensar, verificamos que o grande problema começa logo quando as criancinhas a partir dos três, quatro, cinco anos começam a ser bombardeadas com as práticas religiosas e esse "crime" vai marcar para o resto das vidas essas crianças, porque os adultos não têm a sensatez de saber esperar para quando os jovens atingissem as idades em que estão a adquirir o conhecimento, já numa fase em que já era possível levantar questões e a seguir decidir se está interessado, ou não, em seguir uma determinada religião!...
Isto é tão verdade que não foi por acaso que um célebre filósofo deixou escrito e não foi ainda desmentido:« DÊEM-ME A CRIANÇA E EU DOU-VOS O HOMEM!»
Nós com a idade que temos sabemos que isto é verdade, mas duvido muito que aos 20 anos tivéssemos tal conhecimento e então neste País em que os mais espertos diziam aos humildes:« TRABALHA E HUMILDA-TE».
PEÇO DESCULPA, MAS FOI UM GRANDE PRAZER!
PIKÓ