sexta-feira, 19 de março de 2010

o melhor homem que conheci


Homem do mar, artista e pedreiro, sonhador , por ventura o melhor homem que conheci, vertical, de uma honestidade a toda a prova, de seu nome Manuel Reis de Oliveira mais conhecido por “Manel da bateira“. Quantas saudades meu pai!!!

4 comentários:

Valdemar disse...

Que bom conhecer estas provas de afectividade.
Era natural de que terra?
Bateira, era uma Barca peuqena aqui do Douro. E há a Barragem da Bateira.
Um abraço e bom dia de Pai.

Anónimo disse...

Amigo Oliveira
Que os nossos filhos nos tratem como nós tratámos os nossos Pais,são os votos que faço.
Infelizmente só tive a companhia do meu até aos meus 14 anos.
Um abraço
Virgilio Miranda

lmdoliveira disse...

Valdemar.
O meu pai era natural da Parede e Bateira é alcunha de família (história longa) o meu pai foi proprietário de uma bateira com oito metros .
Foi um homem extraordinário, convivemos juntos diariamente os últimos 20 anos da sua vida!

Virgílio.
Fui mais afortunado, tive o meu pai comigo até aos 52 anos , o seu desaparecimento foi o maior desgosto da minha vida e nunca me consegui habituar à ideia da perca, no entanto tenho o privilégio de ter a minha mãe a viver comigo.
Grande abraço filhos da escola

Abstracto disse...

Como se há de recriminar o ser-humano quando este cria bengalas virtuais para se apoiar?... Divindades criadoras e protectoras, um berço contínuo que nos carrega até ao último sopro. É mais uma almofada que nos aconchega ao dormirmos porque o que nos mata não é o medo da morte mas sim o medo de não haver nada depois dela. Tanto para nós como para os que nos rodeiam, que quando partem deste antro de imundice apenas deixam para trás pó e lágrimas por isso mais vale criar uma dimensão paralela que dê seguimento à caminhada que damos nesta. Senão porra... Para que serve isto tudo??? Que ingratidão. Se há algo a reter disto tudo é que os que partem deixam-nos a noção de nos agarrarmos aos que cá estão. E aí abraço-me a ti.