quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Lago Niassa


Aqui está a dita ( SURUMA) que fundiu muito neurónio a muitos militares que estiveram naquelas paragens. As cocuanas fumavam a dita com a brasa dentro da boca!


5 comentários:

Valdemar disse...

Tives-te conhecimento daquela companhia de soldados do Exército que ficou retida e atrazou a viagem de regresso à Metrópole por virem carregados dela. Foi quando se falava que já lhe conseguia dar o mesmo efeito que tinha a Brasileira e vieram alguns Brasileiros para a preparar. Em Nampula conheci Dois que sendo portugueses já tinham uns anos de Brasil e vieram com o propósito de ttrabalhar nisso. Mas segundo um me disse que andava nas corridas de carros em Nampula, ela era de qualidade inferior à Brasileira.
Um Abraço e ainda bem que truxes-te mais este alerta.

Anónimo disse...

Amigo Oliveira
Quando tiver oportunidade, desenvolva um pouco mais, sobre a planta,pois como ignorante sobre África, gosto sempre de compreender a matéria dada, o que não foi o caso.
Um abraço Virgilio Miranda

lmdoliveira disse...

As coisas que tu sabes! Verdade se diga eu nunca (broquei) no entanto
vi uns quantos militares que faziam brocas enormes tipo cabos de vassoura e enfardavam seruma como quem fumava GT ou LM. havia um Furriel no entreposto do exercito em Metangula que era uma máquina nas brocas os olhos dele eram tipo cachucho sempre com as orbitas arremelgadas.
Bons tempos que passamos naquelas paragens amigo Valdemar!

lmdoliveira disse...

Então é assim filho da escola.
Suruma é a palavra moçambicana para definir a ganja, maconha, canhamo, canabis, boi, erva etc.
São plantas psicóticas que depois de fumadas dão uma grande moca (dizem eles). Como se usa dizer o gajo está pedrado ou drogado. Isto era fumado por muito boa gente nas antigas colónias.

Anónimo disse...

Obrigado pelo esclarecimento, Amigo Oliveira
Um abraço
Virgilio Miranda